Showing all 4 results

  • Êxtase, de birra com Jorge Amado e outras crônicas grapiúnas – Frete Grátis

    A presente coletânea reúne crônicas de dois períodos. As primeiras quatro, inéditas, são de outubro e novembro de 2022; as seguintes quatro do período entre 2000 e 2001; e a última, Como publicar um livro?, do ano de 2018.

    As primeiras têm como ambiência Itabuna e o seu Rio Cachoeira. As últimas, o Sudeste da Bahia, a região do cacau da Bahia e da sua exuberante Mata Atlântica.

    Êxtase capta o encantamento de um senhor idoso com seus passarinhos. Emoção em estado puro.

    R$38.00
  • O Tesouro Perdido das Terras do Sem-Fim -Frete Grátis

    Quem não gostaria de viver a aventura de caçar um tesouro perdido, ainda mais ao lado de seus melhores amigos? Pois é justamente o que Charlie, Tati e Gambá decidem fazer depois de descobrirem um mapa com a localização de um lendário tesouro escondido há mais de 100 anos.

    Seguindo pistas e desvendando enigmas, os três partem em uma jornada incrível através da Mata Atlântica, fazendas de cacau, manguezais e rios.

    O tesouro perdido das terras do sem-fim remonta a narrativa do desenvolvimento da Capitania de São Jorge dos Ilhéus, a existência dos índios botocudos e os tempos áureos do cacau.

    Via Litterarum, 2021.

    R$49.00
  • Para sempre felizes: coisas de neto – Frete Grátis

    A relação entre avós e netos tende a ser boa. Netos surpreendem. Filhos também surpreendem, mas os pais andam, quase sempre, muito ocupados em ganhar a vida para perceberem. Os avós têm mais tempo e podem ver mais e ver melhor. As histórias de “Para sempre felizes!” contam episódios reais, vivenciados com meu neto. São episódios que, com variantes, muitos avós vivenciaram e vivenciam. Os pais, em sua pressa, quase sempre passam batidos. E, quando notam, anos já se passaram e os fi lhos já cresceram.

    R$29.00
  • Regressantes – Frete Grátis

    Sobre o fenômeno de consumir a vida na grande cidade e, na velhice, retornar, silencioso e anônimo, para próximo do lugar de nascimento, ouvi alguns relatos. A literatura dá conta de que muitos, em diferentes conjunturas de crise, migraram para regiões economicamente mais promissoras. A propósito, o próprio Sul da Bahia, um dia, constituiu-se em um eldorado para sucessivas levas de sergipanos e de sertanejos do Norte da Bahia, sobretudo.
    O fenômeno da migração para fora da região ocorreu, principalmente, nos períodos de grandes adversidades. Para a maior parte dos que labutavam na lavoura de cacau, quer como trabalhadores, quer como pequenos proprietários, a migração, nos tempos difíceis – e esses não foram poucos – é um fato corriqueiro. Portanto, o novo não é a migração, mas o retorno. Logo, o dado que se pretendeu focar em Regressantes não é propriamente o migrar, mas o retornar à terra natal em condições não tão favoráveis, já na velhice.

    Regressantes é, no fundo e em primeiro plano, uma homenagem a esses, ainda que fortes, perdedores, ao menos, na perspectiva de sua afirmação econômica e material.

    R$29.00